Jesus e Dever

 

Por certo, de maneira inconsciente, incontáveis indivíduos se crêem merecedores de tudo. Supõem que até o Sol brilha porque eles existem, a fim de facultar-lhes claridade, calor e vida.
            Fecham-se nos valores que se atribuem possuir e, quando defrontam com a realidade, amarguram-se ou rebelam-se, partindo para a agressividade ou a depressão.
            Não assumem responsabilidades, nem cumprem com os deveres que lhes cabem. Às vezes comprometem-se, para logo abandonarem a empresa acusando os outros, sentindo-se injustiçados. São exigentes com a conduta alheia e benevolentes com os próprios erros.
            Sempre estremunhados, tornam-se pesado fardo na economia social, criando situações desagradáveis.
            Fáceis e gentis quando favorecidos, tornam-se rudes e ingratos, se não considerados como acreditam merecer.
            Afáveis no êxito, apresentam-se agressivos no esforço.
            Olvidam-se de que a vida é um desafio à coragem, ao valor moral e que todos temos deveres impostergáveis para com ela, para com nós mesmos e para com os nossos irmãos terrestres.
            Ninguém tem o direito de fruir sem trabalhar, explorando o esforço de outrem.
            O prêmio é a honra que se concede ao triunfador que se empenhou por consegui-lo.
            Palmo a palmo, o viajante ganha o terreno que percorre, fitando com desassombro a linha de chegada.
            O dever de cada um conduz na empreitada da evolução.
            Esse esforço resulta da conquista moral que a consciência se permite, em plena sintonia com o equilíbrio cósmico.
            Ser útil em toda e qualquer circunstância, favorecer o progresso, viver com dignidade, são algumas expressões do dever diante da vida.

 ***
            Em inolvidável parábola, Jesus delineou o comportamento do homem que se esforça e merece respeito, demonstrando-lhe a fragilidade e, ao mesmo tempo, o desejo de renovação.
            Mateus recorda que:
            "Havia um homem que tinha dois filhos. Falou ao primeiro: "Filho, vai hoje trabalhar na vinha", ao que ele respondeu: — "Sim, senhor"; porém, refletindo mais tarde, resolveu não ir.
            Ao segundo filho fez a mesma proposta e ele disse: "Não quero".
            Todavia, arrependido, foi.
            "— Qual dos dois atendeu a vontade do pai?, pergunta o Mestre.
            E os interrogantes responderam a Jesus: "O segundo."
            Defrontamos, nessa experiência, a ação e a promessa, o fato e a intenção.
            A ação deve predominar porque é resultante do dever. Para ela não se tornam necessárias palavras melífluas ou confortadoras, mas sim a decisão para realizá-la corretamente.
            Jesus sempre propõe o dever, a ação; bem entender, a fim de melhor atuar. Ele não induz ninguém à alienação da realidade objetiva do mundo.
            Ele estabelece uma escala de valores que devem ser respeitados, merecendo primazia os mais relevantes, que se tornam a pauta de conquistas do homem de bem, que cumpre com o seu dever.
            Diante d'Ele, estagnação é morte e esta é crime cometido contra o "reino de Deus" que está dentro do próprio homem, necessitando de ser conquistado.
            Todas as parábolas que Ele nos ofereceu estão plenas de ação, sem impositivos externos, antes como resultado de espontânea lucidez da consciência desperta.
 ***
            Nunca prometas realizar o que não pretendes fazer.
            Jamais permaneças inoperante em um lugar já conquistado. Identifica as possibilidades aí vigentes e segue adiante.
            O dever que te impõe renúncia e sacrifício, também te alça à harmonia, libertando-te dos conflitos e das dúvidas.
            Não cesses de crescer interiormente.
            A insatisfação com o que já lograste sem rebeldia, será a tua motivação para conquistas mais expressivas.
            És servidor do mundo.
            Jesus, que se originara nas estrelas, afirmou ser servo de todos e assim se fez, para que "tivéssemos vida e esta em abundância".
(Divaldo P. Franco por Joanna de Ângelis. In: Jesus e atualidade)